Selecione a página

Artigos mais Recentes

Portugal

“Governo Autoriza que Operadoras Testem 5G sem Debate nem Consentimento dos Portugueses”

No dia 18 de Julho de 2020, António Abreu, Director do Notícias Viriato, deslocou-se ao município do Redondo, no distrito de Évora, para entrevistar o Dr. Hugo Gonçalves Silva sobre a sua carreira académica e profissional, os efeitos das radiofrequências na saúde Humana, com destaque no 5G, os conflitos de interesses na Ciência e o papel dos investigadores na sociedade.

Política

O Caso do Pai Artur e os Filhos Chumbados: Sec. de Estado da Educação “Isolado” Recusa Responder a Questões do Notícias Viriato

O caso de Artur Mesquita Guimarães e os filhos chumbados dois anos pelo Secretário de Estado da Educação, João Costa, depois da notícia e entrevista em primeira mão do Notícias Viriato, fez correr muita tinta na imprensa Portuguesa, chegando até ao outro lado do Atlântico. João Costa, que mentiu descaradamente no Parlamento, desde o início deste escândalo que não tem qualquer apoio político de outros membros do governo ou dos partidos que o apoiam. O Notícias Viriato colocou-lhe uma série de questões referentes à sua assinatura no despacho que levou à reprovação dos dois alunos, e o Sec. de Estado prontamente recusou a respondê-las.

  • Saúde
  • Religião
  • História
  • História
  • Censura

O Pecado de Job

Até à reforma litúrgica de 1969, os crentes apenas confessavam, nos ritos iniciais da Missa, que tinham pecado ‘por pensamentos, palavras e actos’, ou ‘quia peccavi nimis cogitatióne, verbo et ópere’, como também era costume dizer-se. E os incréus? Os incréus sempre se consideraram impecáveis, em virtude da sua crença.

Raízes de Cortiça – Episódio 16 – Os Pitos de Santa Luzia

Trás-os-Montes, além dos finos recortes montanhosos enamorados do Douro, dos pratos de bom sabor a terra e do povo de contagiante devoção, orgulho e labor, é fértil nos campos da tradição. Onde há tradição, há raízes. Hoje partilhamos com os estimados leitores os Pitos de Santa Luzia. Calma! A nossa intenção permanece leal à voz do castiço e não à voz de rafeiras brejeirices, apesar do nome sugerir curiosos (ainda que indignos) pensamentos.

Para lá do 25

Nação dócil e crédula que somos, dada à novela, à simplificação e à infantilização, persistimos quase cinquenta anos depois dos acontecimentos de 1974 na repetição acrítica de mitos, presos a uma obsessão auto-vitimizadora e aterrorizados - aterrorizados num temor que é incompatível com a nossa natureza de povo livre - perante qualquer proposta racional de análise e re-interpretação do 25 de Abril e das suas consequências de longo prazo. Estes apontamentos pretendem ser exactamente o exercício de crítica serena de que o país continua a precisar, tremenda e urgentemente, sob pena de jamais vir a exorcizar os fantasmas que o prendem a um passado mitificado e lhe vedam a estrada do futuro.