Comemora-se agora o 45 aniversário do 25Nov75; participei no 25Nov75, nos seus preliminares, na sua execução e depois integrei a Comissão Nacional de Investigação aos acontecimentos do 25Nov75 .
Sei, pois, o que foi exactamente o 25Nov75, quais os objectivos, autores, actores e sei que a versão oficial nada tem a ver com o que aconteceu, a não ser na resultante final; está aí para quem quiser saber a verdade dos factos.
Os objectivos políticos reais do 25Nov75 foram:
1º Recuo estratégico do PCP/ URSS no controle que detinha sobre o Poder político de Portugal e passagem para os bastidores da revolução, para acalmar o Povo Português e a comunidade internacional, alarmados estes com os excessos comunistas em Portugal.
2º Eliminação das extremas esquerdas anarco comunistas, inúteis e já incontroláveis politicamente pelo PCP.
Descrição e leitura política do 25Nov75
Portugal alvorece em pé guerra; o País sofre mais uma convulsão de epilepsia revolucionária.
Capitão para-quedista, recém-chegado de Angola, sou acordado com um telefonema que me diz: – ”Vermelho 9”; tal código determina-me a apresentação imediata na Base Aérea da OTAN na Cortegaça, e assim fiz.
Estava em curso a terceira e última golpada do processo revolucionário iniciado com o 25Abr74, acelerado com o 11Mar75 e desacelerado intencionalmente com o 25Nov75, por razões que adiante se compreenderão.
Na noite de 24 para 25Nov75, sargentos e soldados para-quedistas do Regimento de Tancos ocuparam as bases aéreas, prenderam os respectivos Comandantes, e exigiram a demissão do Chefe de Estado-Maior da FAP, o General Morais e Silva.
Os fuzileiros, a PM do Exército, o Ralis e a Escola de Administração Militar etc. solidarizaram-se com os paraquedistas; obedeciam todos às ordens do acéfalo herói de Abril, Major Otelo Saraiva de Carvalho, Comandante do COPCON, Comando Operacional do Continente.
Aparentemente, o PCP e a extrema-esquerda faziam o assalto final ao Poder. Seguiram-se diversos desenvolvimentos militares e políticos para contenção dos revoltosos em pé de guerra; as forças de contenção eram lideradas militarmente pelo Tenente Coronel Ramalho Eanes e, politicamente, pelo Major Melo Antunes.
Aquelas acções e, outras que se seguiram, saldaram-se por três militares mortos entre os Comandos e a Polícia Militar do Exército na Ajuda, e terminaram com o sucesso da facção oposta ao Major Otelo S. de Carvalho.
O Major Otelo é derrubado, mais tarde é detido e bem, depois foi solto e mal; a revolução devorava mais um dos seus filhos, o mais dilecto, e paria novos heróis, como todas as outras.
O TenCor Ramalho Eanes ascende à condição de “herói” circunstancial, é promovido a general e mais tarde eleito Presidente da República; foi o triunfo do seu carisma militar, honestidade pessoal, profissional e confiança política.
No terreno, os mais activos heróis desta “guerra” do 25Nov75 foram, no entanto, o Coronel Jaime Neves e os seus Comandos, não desconsiderando as acções relevantíssimas dos 122 oficiais paraquedistas as dos aviões e Oficiais pilotos aviadores da FAP, concentrados na Base da OTAN na Cortegaça (onde estive na circunstância) e de terceiras figuras várias, como foi o General Pires Veloso, Comandante da Região Militar do Porto, dito Vice-Rei do Norte, etc…
O folclórico esquerdista Major Otelo S. Carvalho e seus seguidores, a irracionalidade surrealista da extrema-esquerda, a falta de informação e manipulação política total dos sargentos e soldados paraquedistas, tudo isso foi usado neste golpe magistral do PCP, para este os mobilizar para a execução de acções militares irresponsáveis e que foram usadas, depois de contidas, como razão para eliminar da vida política aquelas forças e entidades de extrema esquerda.
Forças de extrema esquerda aquelas, civis e militares, que tinham sido criadas e alimentadas, intencionalmente, para servirem propósitos revolucionários que se esgotaram com a independência de Angola a 11Nov75.
Depois tiveram de ser neutralizadas, porque o PCP as considerava já inúteis, incontroláveis, contraproducentes e também para acalmar a Europa e os EUA, alarmados que estavam com a bandalheira anarco comunista em que Portugal se transformara. Antes do 25Nov75, Henry Kissinger, então Secretário de Estado dos EUA, afirmava que Portugal era já, e seria ainda mais, a vacina anticomunista da Europa.
Em Espanha estava em perspectiva a legalização do Partido Comunista Espanhol; a França e a Itália, em vésperas de eleições, esperavam votações significativas nos seus Partidos Comunistas.
Atingido o objectivo prioritário da URSS/PCP pós 25Abr74l, ou seja, a descolonização total pró URSS, o PCP tinha de sair da ribalta política em Portugal, para que os avanços europeus atrás previstos se concretizassem, e para que o comunismo português não se transformasse na tal vacina de que Kissinger falava, o que não interessava à URSS. E foi isso que a dupla PCP/URSS fez com o 25 Nov75, deu uns passos atrás em Portugal para acalmar e avançar na Europa, e sossegar os sentimentos anti comunistas em Portugal.
Como é que o PCP organizou o 25Nov75?
O 25Nov75 foi concebido, planeado e dirigido encobertamente pela URSS/PCP e alguns elementos do MFA, Movimento das Forças Armadas.
Raimundo Narciso do PCP, que em 75 tratava dos “assuntos militares”, afirmou que de facto o PCP foi a cabeça da organização da contenção do 25Nov75, e foi também quem orientou a esquerda militar, liderada por Otelo S. de Carvalho, na organização e lançamento do mesmo, seja, criou o incidente e controlou, sempre à rectaguarda, as duas facções em oposição. Desde o 25Abr75, que a URSS controlou em absoluto o poder político e militar em Portugal através do PCP e seus sucedâneos, até nos conseguir “expropriar” todas as colónias, com o nosso acéfalo contentamento, empenhamento e crença convicta nos vigários contos das verdades deles, que fizemos nossas.
A última colónia a ser entregue á URSS foi Angola, em 11Nov75 e em formato de neocolónia; não foi por acaso que o 25Nov75 ocorreu logo 14 dias depois do 11Nov75.
O 25Nov75 estava a ser preparado desde Agosto 75, pelo maquiavélico Major Melo Antunes, através do seu “Documento dos Nove”, inspirado este, encobertamente, pelos interesses do PCP.
Andei, pessoalmente, a fazer sessões de esclarecimento sobre este documento em Angola, na qualidade de eleito na Comissão MFA do Batalhão de Paraquedistas, BCP21, convencido eu que este este seria para conter os excessos ditatoriais do PCP e afins em Portugal; foi e não foi, tempos de enganos e desenganos!
Este então célebre documento, pelo seu propositado conteúdo anti excessos políticos em curso no Verão de 75, serviu para captar todas as forças à direita do PCP e para as preparar mental e operacionalmente para uma acção normalizadora desses excessos, e que vieram a constituir as forças de contenção do 25Nov75.
Para ultimação do 25Nov75, o Coronel MANKEIEV da KGB/ URSS chegou a Portugal em 18Nov75 e partiu em 23Nov75, tendo estado no quartel general do COPCON, Forte do Alto Duque, com o Major Otelo e com uma célebre figura do PCP, Jaime Serra, responsável das acções clandestinas do partido.
De 18Nov a 23Nov75 e no COPCON, estas entidades finalizaram os detalhes da componente política , operacional e ofensiva do 25Nov75, ou seja, o plano cumprido pelas forças militares que seguiram Otelo, em particular os Paraquedistas, a Polícia Militar, Fuzileiros e outros… ligados à extrema esquerda.
Eu confirmei, pessoalmente, a vinda e estadia do Coronel Mankeiev no COPCON, em documentos escritos constantes do processo do Otelo/COPCON, quando mais tarde integrei, oficialmente, a Comissão Nacional de Averiguações aos Acontecimentos do 25Nov75.
O Expresso noticiou também na altura esta presença, assim como a sua chegada e partida ao aeroporto de Lisboa.
Ambas as facções em confronto no terreno, os civis e militares do Major Otelo, aos quais o PCP esteve inicial associado, e os seus opositores liderados pelo TenCor Ramalho Eanes, todos foram telecomandados pelo PCP, uns mais e outros menos conscientes disso, mas a maioria ainda hoje está convicta de outra coisa qualquer.
Da facção do TenCor Ramalho Eanes (onde me incluía entre os oficiais paraquedistas), só o Major Melo Antunes tinha pleno conhecimento de tudo, pois foi ele o seu principal planeador político militar, sob orientação do PCP e este da URSS.
O Major Otelo ignorava que, para ele e toda a extrema-esquerda que o orbitava, estava reservado, desta vez, o papel de carneiros a serem sacrificados no altar da revolução e dos interesses da URSS, e foram eliminados nas suas próprias inocências úteis.
A arte e a eficiência da dupla URSS/PCP na concepção, planeamento e execução de tais acções, autênticas obras-primas do golpismo político militar, de engenharia da opinião pública, de manipulação dos militares, do povo e da política, foram absolutamente notáveis, de tal modo que esta verdade ainda hoje não é compreendida e nem sabida.
Ultrapassando este incidente do 25Nov75, importa considerar que houve uma inteligente, oportuna e eficaz lógica política golpista, sequencial e inexorável, de todos os eventos da revolução em Portugal, que não foi e não é acessível à opinião pública comum, intoxicada com correcções políticas.
As versões oficiais dos eventos chave do processo revolucionário português, sejam o 25Abr74, o 28Set74, 11Mar75 e 25Nov75 estão manipuladas; só a cronologia dos factos conhecidos e os agentes activos à vista estão correctos, e pouco ou nada mais.
Qual foi a lógica sequencial e os propósitos políticos subjacentes ao 25Abr74, 28Set74, 11Mar75 e 25Nov75?!
Os objectivos imediatos do 25Abr74 foram: – 1º mudar o regímen, 2º terminar a guerra do Ultramar e 3º descolonizar, exclusivamente, em favor da URSS, conforme Pacto de Paris de 27Set73, inspirado pela URSS e acordado entre o PCP e o PS.
Feito o 25Abr74, mudado o regímen, declarado o fim das acções ofensivas das FAP´s em África logo na 2ª semana de Maio, pelo General Costa Gomes (pró PCP), CEMGFA, havia, pois, que descolonizar em favor da URSS.
Mas o General A. Spínola, Presidente da República, e porta Bandeira do 25Abr74, era contra a descolonização sumária, imediata e pró URSS. Spínola defendia um processo de descentralização e autonomia das províncias que, ao longo de um período alargado de tempo lhes permitiria o acesso às independências, com salvaguarda dos interesses de todas as partes envolvidas, no contexto duma Federação de Estados sob a Bandeira de Portugal. (era também o pensamento da CIA/EUA)
Por este facto, as entidades comprometidas com a descolonização pró URSS, (Pacto de Paris de 27St73), o PCP e a esquerda em geral, tiveram que neutralizar politicamente o General Spínola. Para o efeito, conceberam e realizaram a chamada marcha da “Maioria Silenciosa” em 28Set74, fazendo constar e parecer ter sido inspirada pelo General A. Spínola, a quem acusaram (via intensa propaganda dos média, controlados pela esquerda) de querer usar tal “Maioria Silenciosa” para reverter as conquistas de Abril e forçaram o General a resignar da Presidência.
Mas, o General Spínola, embora resignado de funções oficiais, continuou a polarizar em torno de si muitos militares e civis , dotados estes de elevada consciência dos interessesnacionais, e que discordavam das descolonizações imediatas pró URSS, sem consultas prévias e ou eleições.
Identificado o General Spínola e os seus “seguidores” pelo PCP e afins, como obstáculo à descolonização pró URSS, e à sua aceleração, houve que os neutralizar política e fisicamente, o que o PCP e satélites políticos efectivaram com a golpada do 11Mar75, enfiando nas enxovias de Caxias todos os civis e militares listados como opositores a tal desiderato; só os libertaram, sem julgamento, depois da independência de Angola.
Com o General Spínola a monte e fugido do País depois do 11Mar75 e os potenciais opositores à descolonização pró URSS todos enjaulados em Caxias, sendo o Presidente da República Costa Gomes e o PM Vasco Gonçalves, dois convictos pró URSS, Portugal avançou rapidamente e em força com a entrega de todas as colónias à URSS, na pessoa dos seus movimentos armados naquelas províncias, através das hipocrisias das independências neocoloniais.
Simultaneamente, a sovietização do País ia de vento em popa, de que resultaram graves inquietações políticas internacionais dos EUA e Europa e mais ainda nacionais, face à intensiva comunização do País.
Tendo a URSS atingido todos os seus objectivos em Portugal em 11Nov75, com a independência neocolonial de Angola em seu favor…. a URSS decidiu então avançar com o 25Nov75, usando para o efeito o seu PCP e sucedâneos.
Conforme já atrás exposto o 25Nov75 foi, pois, planeado e levado à execução pelo PCP para eliminar a já inútil e incontrolável extrema-esquerda, e para recuar na sovietização do País, camuflando-se nos bastidores do poder e, acalmar assim a Europa e os EUA, e o próprio povo português, que já andava a incendiar as sedes comunistas pelo País fora, de Rio Maior para Norte.
O Major Melo Antunes salvou o PCP de ser perseguido e afectado pelo 25Nov75, ao fazer uma intervenção urgente e convincente na RTP, garantindo aos portugueses ser o PCP essencial e necessário à democracia.
Neste processo histórico, iniciado com o 25Abr74, os políticos e o povo em geral foram manipulados por modernos catecismos políticos, com ideias novas e ou reformatadas e variados “ismos”, mas, os seus objectivos reais foram e são sempre os mesmos: – O saque do Homem pelo Homem, ou neste caso, dum Estado (Portugal) por outros Estados (URSS), tudo mascarado sempre, com as mais nobres ideologias, utopias e valores humanos em alegado proveito dos povos deles vítimas.
Do 25 Nov 75 diz-se hoje ter sido feito por militares e políticos honrados e corajosos, que se organizaram militar e politicamente, para devolver a Liberdade aos portugueses que lhes foi dada em 25Abr 74 e roubada ainda nesse dia pela URSS através do PCP, assim resultou, mas a história não foi linear, foi como aí está expressa.
José Luís da Costa Sousa
Capitão Paraquedista à data deste evento e que integrou toda a acção do lado oposto ao Otelo Saraiva de Carvalho e extrema esquerda, e integrou também a Comissão Nacional de Inquérito aos acontecimentos do 25 de Nov 75.
25 de Novembro de 2019