Os governos britânico e escocês vão reunir-se em Glasglow esta semana para realizar cimeiras sobre a emergência de saúde pública na Escócia, onde um recorde de 1.187 pessoas morreram em 2018 em mortes relacionadas com drogas, mais 27% do que no ano anterior.

A Escócia tem o maior número de mortes por drogas de qualquer nação europeia, em grande parte devido ao uso de opiáceos juntamente com outras drogas. O país tem um número de overdoses semelhante ao da Alemanha, apesar da enorme diferença no tamanho da população, 5,5 milhões em comparação com 83 milhões.

Os últimos números de 2018 mostram que a Escócia tem uma taxa de mortalidade por droga de 218 por milhão, quatro vezes superior à da Inglaterra e País de Gales, que reportaram uma taxa de mortalidade de 51 por milhão, de acordo com a BBC.

Estima-se que existam 60.000 consumidores activos de drogas “pesadas” no país, o que representa 1,6 por cento da população adulta.

O Dr. Andrew McAuley, investigador sénior da Glasgow Caledonian University, disse que a Escócia tem “proporcionalmente mais consumidores de drogas do que o resto do Reino Unido”. Isso acaba por ter um impacto óbvio no número de mortes relacionadas com drogas”.

Número de Mortes por Milhão devido a Consumo de Droga na União Europeia. BBC

A maioria das mortes foi causada por pessoas que combinaram diferentes substâncias, tipicamente uma mistura de opiáceos como a heroína ou a metadona com benzodiazepinas como o etizolam, resultando na morte de 548 pessoas em 2018.

“Vemos agora pessoas a tomar mãos-cheias destes comprimidos e às vezes eles são mais fortes do que estão à espera, ou eles voltam a tomar mais rapidamente porque os efeitos não duram tanto quanto os medicamentos prescritos”, disse o Dr. McAuley.

Nos últimos seis anos, a proliferação de benzodiazepinas mais fortes, o chamado “valium de rua”, disparou na Escócia, substituindo os comprimidos de prescrição como o medicamento de escolha.

“Muitas vezes as pessoas podem pensar que estão a tomar diazepam, mas podem ser outros benzodiazepínicos muito mais potentes, como o etizolam”. É particularmente perigoso quando usado em combinação com outras drogas como heroína e até mesmo metadona prescrita”, disse o Dr. Saket Priyadarshi do SNS Greater Glasgow.

Em resposta à emergência de saúde pública, os governos do Reino Unido e da Escócia vão realizar cimeiras concorrentes em Glasgow. O governo do Reino Unido quer ver uma repressão aos delinquentes, enquanto o governo escocês pretende um aumento nos tratamentos de dependência, segundo o Financial Times.

O Partido Nacional Escocês no poder apelou à descriminalização do uso e posse de drogas, à semelhança de Portugal. Na América, a crise dos opiáceos matou um recorde de 72.287 pessoas em 2017 e outras 67.367 em 2018, a maioria das quais morreu devido ao consumo de heroína ou fentanil.

Fontes:

Ed Lowther e Steven Brocklhehurst. BBC News, Scotland’s drug death crisis in six charts, 26 de Fevereiro de 2020. https://www.bbc.com/news/uk-scotland-48853004

Kurt Zindulka. Breitbart, Opioid Crisis: Scotland Records Highest Rate of Drug Related Deaths in Europe, 26 de Fevereiro de 2020. https://www.breitbart.com/europe/2020/02/26/opioid-crisis-scotland-records-highest-rate-of-drug-related-deaths-in-europe/

RFI. RFI, Escócia bate recorde de mortes ligadas ao consumo de drogas, 9 de Junho de 2019. http://www.rfi.fr/br/europa/20190716-escocia-bate-recorde-de-mortes-ligadas-ao-consumo-de-drogas