Menos de um ano depois de o Judicial Watch ter relatado sobre as ligações terroristas de um refugiado africano que vivia no Arizona, as autoridades federais do estado do Grand Canyon prenderam dois refugiados do mesmo continente por conspirarem para fornecer apoio material ao ISIS. Em ambos os casos, os terroristas entraram legalmente nos Estados Unidos sob um programa da era de Obama, que acolheu e ofereceu residência a centenas de milhares de pessoas de países muçulmanos conhecidos por atividades terroristas. Além disso, em ambos os casos, os terroristas instalaram-se em Tucson, cerca de 112 Km ao norte da fronteira mexicana.
Menos de um ano depois de o Judicial Watch ter relatado sobre as ligações terroristas de um refugiado africano que vivia no Arizona, as autoridades federais do estado do Grand Canyon prenderam dois refugiados do mesmo continente por conspirarem para fornecer apoio material ao ISIS. Em ambos os casos, os terroristas entraram legalmente nos Estados Unidos sob um programa da era de Obama, que acolheu e ofereceu residência a centenas de milhares de pessoas de países muçulmanos conhecidos por atividades terroristas. Além disso, em ambos os casos, os terroristas instalaram-se em Tucson, cerca de 112 Km ao norte da fronteira mexicana.
Menos de um ano depois de o Judicial Watch ter relatado sobre as ligações terroristas de um refugiado africano que vivia no Arizona, as autoridades federais do estado do Grand Canyon prenderam dois refugiados do mesmo continente por conspirarem para fornecer apoio material ao ISIS. Em ambos os casos, os terroristas entraram legalmente nos Estados Unidos sob um programa da era de Obama, que acolheu e ofereceu residência a centenas de milhares de pessoas de países muçulmanos conhecidos por atividades terroristas. Além disso, em ambos os casos, os terroristas instalaram-se em Tucson, cerca de 112 Km ao norte da fronteira mexicana.
No caso mais recente, agentes do FBI prenderam dois homens somalis, Ahmed Mahad Mohamed, de 21 anos, e Abdi Yemani Hussein, de 20, após uma investigação que durou meses. Durante a investigação secreta, os homens “demonstraram repetidamente sua lealdade e apoio ao ISIS”, de acordo com um depoimento do FBI de apoio a uma denúncia criminal. Mohamed e Hussein também discutiram o seu desejo e planos de se juntar ao ISIS no estrangeiro e compraram passagens aéreas de Tucson para o Cairo, no Egito, para se juntarem ao grupo terrorista. O depoimento inclui comunicações online e pessoais entre os suspeitos e agentes secretos que expressam o seu plano de decapitar os não-crentes do Islão como animais. “O melhor despertar é o Estado Islâmico para obter a vitória ou outro 11 de Setembro”, de acordo com um dos e-mails de Mohamed com um agente secreto. Hussein escreveu que queria explodir a Casa Branca e Tucson se alguém tentar impedi-lo. Ambos os homens revelaram que se esforçaram para ser os terroristas mais procurados do mundo.
Incrivelmente, Mohamed e Hussein viviam nos EUA legalmente porque entraram como refugiados da Somália, de acordo com um documento do FBI. “No momento da sua prisão, Mohamed tinha obtido o estatuto de residente permanente legal e Hussein permanecia como refugiado”, de acordo com uma declaração do Departamento de Justiça que também revela que Mohamed e Hussein planeavam realizar um ataque nos Estados Unidos se não pudessem viajar para o Sinai, uma península do Egito que faz fronteira com Israel e a faixa de Gaza, para aderir ao ISIS. O Departamento de Estado adverte contra viagens à região devido ao terrorismo. “A Península do Sinai continua a ser uma área particularmente perigosa, com frequentes ataques a forças de segurança e civis”, escreve a agência no seu aviso aos cidadãos americanos. A viagem planeada para a área por dois jovens africanos, acolhidos como refugiados pelos EUA, chamou legitimamente a atenção das autoridades federais.
Incrivelmente, Mohamed e Hussein viviam nos EUA legalmente porque entraram como refugiados da Somália, de acordo com um documento do FBI. “No momento da sua prisão, Mohamed tinha obtido o estatuto de residente permanente legal e Hussein permanecia como refugiado”, de acordo com uma declaração do Departamento de Justiça que também revela que Mohamed e Hussein planeavam realizar um ataque nos Estados Unidos se não pudessem viajar para o Sinai, uma península do Egito que faz fronteira com Israel e a faixa de Gaza, para aderir ao ISIS. O Departamento de Estado adverte contra viagens à região devido ao terrorismo. “A Península do Sinai continua a ser uma área particularmente perigosa, com frequentes ataques a forças de segurança e civis”, escreve a agência no seu aviso aos cidadãos americanos. A viagem planeada para a área por dois jovens africanos, acolhidos como refugiados pelos EUA, chamou legitimamente a atenção das autoridades federais.
Num caso semelhante ocorrido em Tucson no Outono passado, um homem originário da Etiópia que recebeu o estatuto de refugiado da administração Obama foi mais tarde descoberto que se tratava de um terrorista que mentiu ao governo sobre a sua identidade. O homem, Mohamed Abdirahman Osman, e a sua esposa, Zeinab Abdirahman Mohamed, viviam em Tucson desde que o Governo dos Estados Únidos os convidou para o país como refugiados em 2014. Há menos de um ano, um grande júri acusou o casal de fazer falsas declarações a uma agência governamental e mentir sobre as ligações do marido com o grupo militante somali Al-Shabaab. Osman usou um passaporte somali falso para chegar aos EUA, de acordo com a acusação de 11 crimes, que acusou o marido de oito crimes e a esposa de três por ajudá-lo a esconder sua verdadeira identidade.
Osman e a sua esposa fugiram para a China e solicitaram o estatuto de refugiado junto de um oficial dos Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA (USCIS) em Pequim, usando um pseudónimo. Os documentos apresentados pelo casal continham “declarações falsas, fictícias e fraudulentas”, de acordo com a acusação.
Esses dois casos de Tucson provam mais uma vez que há vulnerabilidades evidentes no programa de refugiados. O Judicial Watch tem relatado isso há anos. De facto, em 2011, terroristas islâmicos – incluindo dois afiliados da Al-Qaeda acusados no Kentucky – entraram legalmente nos Estados Unidos através de um programa de realojamento de refugiados. Foi chamado de Programa de Admissão de Refugiados dos EUA (USRAP), uma parceria entre o Departamento de Estado e o USCIS para ajudar dezenas de milhares de refugiados mais vulneráveis do mundo a começar uma nova vida nos Estados Unidos a cada ano. A maioria dos pedidos de encaminhamento de refugiados no USRAP são feitos pelas Nações Unidas, notoriamente corruptas, que publicaram um extenso manual sobre o assunto.
Esses dois casos de Tucson provam mais uma vez que há vulnerabilidades evidentes no programa de refugiados. O Judicial Watch tem relatado isso há anos. De facto, em 2011, terroristas islâmicos – incluindo dois afiliados da Al-Qaeda acusados no Kentucky – entraram legalmente nos Estados Unidos através de um programa de realojamento de refugiados. Foi chamado de Programa de Admissão de Refugiados dos EUA (USRAP), uma parceria entre o Departamento de Estado e o USCIS para ajudar dezenas de milhares de refugiados mais vulneráveis do mundo a começar uma nova vida nos Estados Unidos a cada ano. A maioria dos pedidos de encaminhamento de refugiados no USRAP são feitos pelas Nações Unidas, notoriamente corruptas, que publicaram um extenso manual sobre o assunto.
Em 2016, um refugiado iraquiano com residência concedida após vir para os EUA como adolescente foi acusado de apoiar o grupo jihadista do Estado Islâmico do Iraque. O outrora deslocado refugiado, Omar Faraj Saeed Al Hardan, tinha 24 anos e vivia em Houston, Texas. Ele tentou fornecer apoio material ao ISIS e mentiu sobre as suas ligações com a organização terrorista e seu treino com armas ao solicitar a cidadania americana, de acordo com uma acusação federal. Esse não foi um incidente isolado. O Escritório do Director da Inteligência Nacional (ODNI) confirmou que pessoas ligadas a grupos terroristas na Síria tentaram infiltrar-se nos EUA por meio do programa de refugiados de Obama, que deixou entrar 10 mil sírios. A agência que serve de guarda-chuva para a comunidade de inteligência também revelou o óbvio, que “o sistema de refugiados, como todos os programas de imigração, é vulnerável à exploração de grupos extremistas que procuram enviar agentes para o Ocidente”.
Em 2016, um refugiado iraquiano com residência concedida após vir para os EUA como adolescente foi acusado de apoiar o grupo jihadista do Estado Islâmico do Iraque. O outrora deslocado refugiado, Omar Faraj Saeed Al Hardan, tinha 24 anos e vivia em Houston, Texas. Ele tentou fornecer apoio material ao ISIS e mentiu sobre as suas ligações com a organização terrorista e seu treino com armas ao solicitar a cidadania americana, de acordo com uma acusação federal. Esse não foi um incidente isolado. O Escritório do Director da Inteligência Nacional (ODNI) confirmou que pessoas ligadas a grupos terroristas na Síria tentaram infiltrar-se nos EUA por meio do programa de refugiados de Obama, que deixou entrar 10 mil sírios. A agência que serve de guarda-chuva para a comunidade de inteligência também revelou o óbvio, que “o sistema de refugiados, como todos os programas de imigração, é vulnerável à exploração de grupos extremistas que procuram enviar agentes para o Ocidente”.
Em 2016, um refugiado iraquiano com residência concedida após vir para os EUA como adolescente foi acusado de apoiar o grupo jihadista do Estado Islâmico do Iraque. O outrora deslocado refugiado, Omar Faraj Saeed Al Hardan, tinha 24 anos e vivia em Houston, Texas. Ele tentou fornecer apoio material ao ISIS e mentiu sobre as suas ligações com a organização terrorista e seu treino com armas ao solicitar a cidadania americana, de acordo com uma acusação federal. Esse não foi um incidente isolado. O Escritório do Director da Inteligência Nacional (ODNI) confirmou que pessoas ligadas a grupos terroristas na Síria tentaram infiltrar-se nos EUA por meio do programa de refugiados de Obama, que deixou entrar 10 mil sírios. A agência que serve de guarda-chuva para a comunidade de inteligência também revelou o óbvio, que “o sistema de refugiados, como todos os programas de imigração, é vulnerável à exploração de grupos extremistas que procuram enviar agentes para o Ocidente”.
08 de Agosto de 2019
Fonte: