As Nações Unidas estão a ficar sem dinheiro. Com um déficit de 230 milhões de dólares, a organização pode ficar sem dinheiro até o final de Outubro, alerta o Secretário-Geral e o ex-primeiro-ministro socialista português António Guterres.
Mais uma vez, os socialistas provam que não são muito bons a gerir o dinheiro das outras pessoas. Já houve alguns avisos do secretário-geral da ONU e ex-primeiro ministro de Portugal de que a organização estava realmente com problemas. No ano passado, em Julho de 2018, surgiam manchetes de que a instituição globalista estava já com problemas.
Com um déficit de 139 milhões de dólares até então, o secretário-geral escreveu: “Uma organização como a nossa não deveria sofrer repetidas ameaças de falência. Mas, certamente, a maior dor é sentida por aqueles a quem servimos quando não podemos, por falta de fundos modestos, atender ao seu pedido de ajuda. ”
Parte dessas dificuldades financeiras foram atribuídas aos Estados Unidos. “A ineficiência e o gasto excessivo das Nações Unidas são bem conhecidos. Não deixaremos que se aproveitem da generosidade do povo americano ou deixá-la passar em branco”, disse Nikki Haley em Dezembro, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas na altura, quando o orçamento principal fora acordado.
Desde então, as coisas não melhoraram muito para as Nações Unidas.
O déficit de 139 milhões de dólares aumentou para 230 milhões. Numa carta destinada aos 37.000 funcionários do secretariado da ONU e obtida pela CBS News, Guterres disse que “medidas adicionais não especificadas” teriam que ser tomadas para garantir que salários fossem pagos. O Secretário-Geral disse que algumas nações não pagaram a sua parte para garantir o funcionamento normal da organização.
Para reduzir custos, Guterres mencionou o adiamento de conferências e reuniões e a redução de serviços, além de restringir as viagens oficiais apenas a atividades essenciais e tomar medidas para economizar energia.
O aquecimento e o ar-condicionado serão cortados entre as 18h. e 8h. Atrasos nos documentos, menos traduções e nenhuns ‘brindes’ em conferências, como garrafas água são agora esperados. E no prédio da Secretaria de 39 andares, algumas escadas rolantes e a fonte de água decorativa do lado de fora estão também a ser fechadas. Simbólico para o actual ‘realinhamento global’ e também para o histórico do ex-primeiro ministro Socialista cujo o partido já pedira 3 resgates ao FMI, em 1977, 1983 e 2011.
Beirão
O autor escreve segundo o antigo Acordo Ortográfico.
16 de Outubro de 2019